Inicial

05/08/1937 – T

http://www.jkrishnamurti.org/krishnamurti-teachings/view-text.php?tid=148&chid=4507&w=

 

Quarta Conversa em Ommen

Ignorância é a inconsciência do processo do seu próprio pensamento e emoção. Tentei explicar o que quero dizer por consciência.

Irá a experiência dissolver essa ignorância? O que queremos dizer por experiência? Ação e reação de acordo com pensamento condicionado e emoção. A mente-coração é condicionada por conclusões, hábitos de pensamento, preconceitos, crenças, medos, desejos.

Essa massa de ignorância não pode ser dissolvida apenas pela experiência. A experiência pode dar à ignorância um novo significado, novos valores, novas ilusões, mas ainda é ignorância. A mera experiência não pode dissolver a ignorância; ela só pode reformá-la.

Pode o controle e a mudança do ambiente dissolver a ignorância? O que queremos dizer por ambiente? Os hábitos e valores econômicos, as divisões sociais, a moralidade da conformidade, etc. Será que a criação de um novo ambiente, provocado pela compulsão, pela violência, por meio da propaganda e da ameaça, dissolverá essa ignorância ou simplesmente a reformulará de maneira diferente?

Através da dominação externa, pode essa ignorância ser dissolvida? Eu digo que não pode. Isso não significa que a barbárie atual das guerras, da exploração, das crueldades, das dominações de classe, não deve ser mudada. Mas mera mudança de sociedade não alterará a natureza fundamental da ignorância.

Olhamos para dois processos diferentes de dissolução da ignorância: o de controlar o ambiente e o outro de destruir a ignorância através da experiência. Antes de aceitar ou negar a impossibilidade de acabar com a ignorância através desses métodos, você deve conhecer a realidade de cada processo. Você sabe disso? Se não, você deve experimentar e descobrir. Nenhuma estimulação artificial pode produzir a realidade.

A ignorância não pode ser dissolvida nem pela experiência, nem pelo mero controle do ambiente, mas espontaneamente, desaparece voluntariamente se houver aquela consciência em que não há desejo, nem escolha.

Questionador: Estou consciente de que eu amo e que a morte vai tirar o que eu amo, e o sofrimento é uma coisa difícil para eu compreender. Eu sei que é uma limitação e sei que quero algo mais, mas não sei o quê.

Krishnamurti: A morte traz muita tristeza para a maioria de nós, e queremos encontrar uma saída para esse sofrimento. Nós nos voltamos para a crença na imortalidade, confortando-nos nisso, ou tentando esquecer a tristeza por vários meios, ou cultivando uma forma superior de indiferença, através da racionalização.

Todas as coisas se deterioram, tudo é desgastado pelo uso, tudo chega ao fim. Percebendo isso, alguns racionalizam para sair da tristeza. Por um processo intelectual eles amortecem seu sofrimento. Outros procuram superar esse sofrimento por adiamento, por uma crença no além, por um conceito de imortalidade. Isso também amortece o sofrimento, pois a crença dá abrigo, conforto. Não se pode ter medo do futuro ou da morte de si mesmo, mas a maioria de nós não quer suportar a agonia da perda de alguém que amamos. Então, nos propusemos a descobrir formas e meios de frustrar a tristeza.

As explicações intelectuais de como se livrar do sofrimento tornam-no indiferente. No distúrbio causado pela tomada de consciência do próprio empobrecimento através da morte de alguém que se ama, surge o choque do sofrimento. Outra vez a mente objeta à amargura, assim ela procura maneiras e meios de escapar. Estar satisfeito com as muitas explicações do futuro, da continuidade, da reencarnação, e assim por diante; o homem racionaliza o sofrimento distante, de modo a viver o mais tranquilo possível, e outro, em sua crença, em seu adiamento, toma abrigo e conforto para não sofrer no presente. Estes dois são fundamentalmente os mesmos, nenhum quer sofrer; são apenas suas explicações que diferem. O primeiro zomba de todas as crenças, e este último está profundamente imerso em reforçar sua crença na reencarnação, na imortalidade, etc., ou em descobrir “fatos”, “realidade” sobre eles.

Questionador: Não vejo por que o refúgio em si é falso. Acho que se refugiar é bobagem. A reencarnação pode ser um fato.

Krishnamurti: Se alguém está sofrendo e há o suposto fato da reencarnação, que valor fundamental tem esse fato se ele deixa de ser um refúgio, um conforto? Se alguém está morrendo de fome, de que adianta saber que há superprodução no mundo? Ele quer ser alimentado, não fatos, mas comida.

Não estamos discutindo se a reencarnação é um fato ou não. Para mim isso é absolutamente irrelevante. Quando você está doente, com fome, fatos não aliviam o sofrimento, não satisfazem a fome. Pode-se ter esperança em um futuro estado ideal, mas a fome ainda vai continuar. O medo da morte e a tristeza que ela traz continuará, mesmo apesar do suposto fato da reencarnação – a menos que, naturalmente, se viva em completa ilusão.

Por que você se refugia em um suposto fato, numa crença? Eu não estou perguntando como você sabe que é um fato. Você pensa que é, e por enquanto vamos deixar isso para lá. O que o leva a se abrigar? Como um homem se refugia na conclusão racionalizada de que todas as coisas devem decair, e depois suaviza seu sofrimento, então, por buscar refúgio em uma crença, em um suposto fato, você também amortece a ação da tristeza. Por causa da agudeza da miséria você deseja conforto, um alívio, e assim você procura um refúgio, esperando que seja duradouro e real. Não é por essa razão fundamental que buscamos refúgio, abrigo?

Questionador: Porque não somos capazes de enfrentar a vida, buscamos um substituto.

Krishnamurti: Simplesmente afirmando que você está buscando substituições não resolve o problema do sofrimento. Eles nos impedem de pensar e sentir profundamente. Aqueles de vocês que sofreram e sofrem, qual foi a sua experiência?

Questionador: Nada.

Krishnamurti: Alguns de vocês não fazem nada, lidando com isso indiferentemente. Alguns tentam escapar dela através de bebida, diversão, esquecendo-se na ação, ou se refugiando em uma crença.

Qual é a reação real no caso da morte? Você perdeu a pessoa que você ama e você gostaria de tê-la de volta; você não quer enfrentar a solidão. Percebendo a impossibilidade de tê-la de volta, você se volta, em seu vazio e tristeza, para preencher sua mente e coração com explicações, com crenças, com informações de segunda mão, conhecimento e experiências.

Questionador: Há uma terceira possibilidade. Você nos mostra apenas essas duas possibilidades, mas eu sinto claramente que há outra maneira de enfrentar a tristeza.

Krishnamurti: Pode haver muitas maneiras de encontrar a tristeza, mas se existe um desejo fundamental de buscar conforto, todos os métodos se resolvem nessas duas abordagens definitivas – seja racionalizar ou buscar refúgio. Ambos os métodos apenas aliviam a tristeza; eles oferecem uma fuga.

Questionador: E se um homem se casar novamente?

Krishnamurti: Mesmo que o faça, o problema do sofrimento ainda permanece sem solução. Isso também é um adiamento, um esquecimento. Alguém se dá explicações intelectuais e racionais porque não quer sofrer. Outro se refugia em uma crença, também para evitar o sofrimento. Outro se refugia na ideia de que, se ele puder encontrar a verdade, haverá finalmente a cessação do sofrimento. Outro, através do cultivo da irresponsabilidade, evita o sofrimento. Todos estão tentando escapar do sofrimento.

Não se oponha às palavras abrigo, refúgio. Substitua sua própria palavra – crença, Deus, verdade, novo casamento, racionalização, e assim por diante. Mas, enquanto houver um desejo consciente ou inconsciente de escapar da tristeza, a ilusão em muitas formas deve existir.

Agora, por que você não deveria sofrer? Quando você está feliz, quando está alegre, você não diz que não deve ser feliz. Você não foge da alegria, você não procura um refúgio dela. Quando você está em estado de êxtase, você não recorre a crenças, a substituições. Ao contrário, você destrói todas as coisas que estão em seu caminho – seus deuses, suas moralidades, seus valores, suas crenças, tudo – para manter este êxtase. Agora, por que você não faz a mesma coisa quando está sofrendo? Por que você não destrói todas as coisas que interferem com a tristeza, as muitas explicações da mente, fugas, medos e ilusões?

Se você sinceramente e profundamente colocar esta pergunta para si mesmo, você verá que crenças, deuses, esperanças já não importam. Então sua vida tem um significado novo e fundamental.

Na chama do amor, todo o medo é consumido.

5 de agosto de 1937

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: